"O Enigmático Homem de Loures"

Na edição de maio 2017, da National Geographic Portugal, foi publicada uma peça sobre o trabalho multidisciplinar de Aproximação Facial a D. Luís de Castro do Rio, fidalgo do século XVI, realizado pela docente do ISCSEM Prof. Dra. Nathalie Antunes-Ferreira, Dr. Luís Lopes do Museu Nacional de História Natural e o Mestre Filipe Franco (ilustrador científico, especialista em anatomia artística).


Em 2006 e 2010 Nathalie Antunes-Ferreira e Ana Raquel Silva, arqueóloga da Câmara Municipal de Loures, coordenaram os trabalhos arqueológicos nas criptas da capela do Convento do Espírito Santo, exumando vários corpos esqueletizados, dos quais se destacou o de D. Luís de Castro de Rio que estava sepultado num sarcófago que ostentava o seu brasão. Em 2015 iniciou-se o projeto de Aproximação Facial. A perícia efetuada, por Nathalie Antunes-Ferreira, ao esqueleto deste fidalgo revelou um homem idoso, caucasiano, com uma estatura aproximada de 1,65 m que sofreu de cáries, osteoartrose e uma fratura do pulso. O investigador Luís Lopes realizou a digitalização 3D ao crânio possibilitando ao Mestre Filipe Franco modelar digitalmente o seu rosto.

A pesquisa histórica revelou que D. Luís de Castro do Rio foi o fundador e padroeiro do Convento do Espírito Santo, construído em 1574, onde atualmente está instalado o Museu Municipal de Loures. Foi fidalgo de solar e mercador abastado de provável ascendência judaica. O apelido “Rio” foi acrescentado ao seu nome após o rei D. Sebastião conceder, em 1561, Carta de Brasão d’Armas ao seu irmão Diogo de Castro e lhe dar por solar a Quinta do Rio, em Sacavém. Faleceu em 1579.

Mais informações.